A Sinopse – por Vanessa Bosso

Putz, quem sou eu para falar de sinopse? Se tem algo ruim em escrever um livro, esse troço chama-se S.I.N.O.P.S.E..

Para criar a tão temida sinopse (a mera menção da palavra me causa calafrios estranhos), uso técnicas que aprendi nos anos e anos de experiência em redação publicitária.

Entendo que a sinopse é o primeiro contato do leitor com a história. Claro que capa e título pesam muito, mas a sinopse é ponto decisivo no momento da compra em 80% dos casos. Eu quase sempre compro pela capa, então, não me tomem por amostragem.

A sinopse não é um resumo do livro, pelo amor dos deuses literários! Na verdade, é um convite a leitura. Precisa ser instigante ao ponto de deixar o leitor maluquinho, surtadão, desesperado para conhecer a sua obra.

É possível fazer isso?

Eu até consegui essa proeza em Senhor do Amanhã. Com relação aos outros títulos, não acho que tenha alcançado o máximo potencial sinopsesco. É difícil pacas se colocar no lugar do leitor quando você é o escritor da obra. Tipo assim, em casa de ferreiro nem espeto tem.

sinopsesenhor

Ao criar sua sinopse, imagine-se vendendo o seu produto, o seu livro. O que você diria para aguçar a curiosidade do leitor? O que você faria para convencê-lo de que a leitura será mara? Use e abuse da criatividade. Sinceramente? Vale qualquer coisa na hora da sinopse, não tenha medo de inovar.

Outra coisa importante: não escreva muito! Pense que os leitores estão numa grande e barulhenta livraria, a concorrência é desleal e está por todos os lados. Você precisa passar a sua mensagem bem rápido, dois parágrafos curtos seriam o ideal. Use frases de efeito, deixe perguntas no ar… são gatilhos que funcionam em propaganda e, claro, funcionarão também para vender o seu livro.

E se alguém aí tiver mais alguma dica, por favor, divida conosco!

Abraços Literários,

Via Vanessa Bosso

Continue Reading

Dicas sobre credibilidade e profissionalismo

estante

A agente literária Alessandra Pires dá as algumas dicas para aqueles que desejam publicar um livro. “Antes de entregar uma obra para uma editora, tenha certeza que ela tem ótima qualidade conforme as exigências do mercado. Para isso, o melhor a fazer é uma leitura crítica. Tenha o cuidado de enviar o original às editoras que publicam a mesma temática/gênero de sua obra”.

E Aline Vieira alerta para as armadilhas. “Um livro é algo que tem uma vida longa e pode chegar às mãos das mais diversas pessoas. É importante que haja um compromisso com aquilo que se publica, principalmente no caso do interesse ser a promoção profissional”. Todo cuidado é pouco. Afinal, você não vai querer ser conhecido como um autor sem credibilidade.

Costumo aconselhar as pessoas a começarem com a redação de artigos, que são mais curtos, pontuais e fáceis de redigir.

Uma ótima aliada para os iniciantes é a internet. As maravilhas da tecnologia e do mundo globalizado podem levar a sua obra a qualquer lugar do mundo. Para a web não há fronteiras e ainda pode ser um caminho curto para obtenção de retorno dos leitores. “Costumo aconselhar as pessoas a começarem com a redação de artigos, que são mais curtos, pontuais e fáceis de redigir. Um bom espaço para essa prática é o blog, que pode ser criado – e de graça – por qualquer pessoa. Além de ser um ótimo meio de divulgação do trabalho do autor, o blog permite receber o feedback de quem lê os artigos, o que é fundamental para aperfeiçoar a técnica da escrita e perceber quais são os interesses das pessoas. Só o fato de ter um blog já pode trazer projeção e ótimos retornos para o autor… Então, depois de adquirir certa prática e amadurecer seu estilo pessoal de escrita, ele estará mais preparado para desenvolver um livro”, explica Regina Giannetti.

Iniciantes podem contar com diversos serviços

Os autores iniciantes podem contar uma série de serviços editoriais, oferecidos por empresas de consultoria. Se você está pensando em publicar uma obra, veja alguns pontos que podem deixá-la ainda mais atraente para o seu público:

Copydesk: É a revisão do texto. Deve cuidar da revisão gramatical, corrigindo erros de concordância e digitação.

Diagramação: É a formatação do layout das páginas e da capa. Inclui suas ilustrações e formato e combina arte e cores para que o resultado final agrade ao público.

Homologação: É o registro da obra junto à Fundação Biblioteca Nacional e obtenção do número ISBN.

Ghost writing: É um serviço voltado para pessoas que desejam escrever um livro, mas não têm tempo ou habilidade necessária para tal empreitada. Um escritor contratado (“ghost writer“) pode ajudá-lo a escrever e formatar o texto de um livro.

Fonte: http://www.bolsademulher.com/dinheiro/dicas-para-autores/

Continue Reading